Home / Séries / IZOMBIE 3.05 – ZUMBI, COURO, MUITO SADOMASOQUISMO!

IZOMBIE 3.05 – ZUMBI, COURO, MUITO SADOMASOQUISMO!

legiao_MXRrw5Z_H7u6DaAo2FCPzpv4ien8fWEmOkyN3VGUYc.jpg

Antes de começar a review de hoje, gostaria de dizer que me sinto muito frustrado pela piada de 50 tons de cinza já ter sido usada na série no episódio 11 da segunda temporada (50 tons de matéria cinzenta). Ela teria se encaixado perfeitamente no episódio dessa semana, Spanking The Zombie, ou Espancando o Zumbi em tradução livre. Mas né, parece que os produtores do seriado são mais rápidos na hora de fazer trocadilhos. Tudo que me restou foi fazer referência ao saudoso funk dos anos 2000 que, provavelmente, poucos entenderão a referência. Vida que segue!

Mudando um pouco o que estávamos acostumado, o episódio não começa em uma cena de crime ou com a autópsia do cadáver da semana, já que o mesmo já havia sido cremado. Por sorte, o cérebro da moça que Clive estava investigando havia sido preservado por Ravi, que o utilizou na tentativa de criar uma cura para a perda de memória de Blaine.

Apesar de toda a resistência, Liv acaba sendo obrigada a comer o cérebro azulado que estava carregado de componentes químicos para melhorar a memória. Bem, já deu pra imaginar que esse não seria um episódio comum, não é?

O caso da semana envolve uma dominatrix chamada de Doce Senhora Dor, que foi enforcada com seu próprio chicote. E tão logo Clive e Liv chegam na cena do crime (que já havia sido visitada pela polícia antes), já podemos ver a nossa querida zumbi encarnando seu lado mais agressiva e sexual, com direito a chicote e ordens para o seu parceiro.

Todo o desenrolar do caso é incrivelmente engraçado, especialmente pelo fato de que, graças aos elementos químicos da memória, Liv consegue ter visões mais frequentes – e bem mais detalhadas.

Esse aumento da memória da nossa zumbi pode representar aquilo que a grande maioria dos fãs já desconfia: Blaine está mentindo. Se as coisas seguirem por esse caminho, seria uma reviravolta interessante, especialmente porque nos livraria do incômodo relacionamento do vilão com Peyton.

Enquanto vemos Liv seguir pelo caminho do sadomasoquismo, dando ordens e utilizando “suas” memórias para fazer com que a investigação dos suspeitos continue, temos subtramas que são bem mais interessantes que o triângulo amoroso formado por Blaine-Peyton-Ravi. E falando nisso, é incrível ver que, uma vez que esse drama não aparece, o episódio se torna fluído e divertido. É muito mais agradável de se assistir o seriado.

Vemos mais detalhes do treinamento de Major, que mesmo com seus problemas de saúde causados pela cura da condição zumbi, se arrisca para salvar inocentes em uma missão do exército da organização de Vivian e acaba sendo esfaqueado diversas vezes no abdômen.

A própria Vivian retorna nesse episódio continuando a investigar a morte de Wally e sua família – e o fórum de ódio contra zumbis na internet – uma vez que Clive e Liv foram proibidos de se meter nesse caso.

As duas subtramas ajudam o episódio a se manter consistente, apesar da conclusão do caso Doce Senhora Dor deixe um pouco a desejar, especialmente quando vemos as complicações causadas pelas feridas de Major e os problemas já oriundos da cura zumbi.

Liv e Major conseguem ter uma “última noite” para mostrar o quanto se amam, antes queseu ex-noivo tome a segunda cura e, consequentemente, perca todas as suas memórias.

A cena dos dois se despedindo e do “discurso” de Ravi antes de aplicar a cura foram bem emocionantes, nos fazendo lembrar de como os dois atores interagem bem e como a história dos dois é interessante.

Os pontos altos do episódio foram, é claro, a atuação brilhante de Rose McIver que se superou mais uma vez ao interpretar uma personalidade tão exagerada e diferente e os momentos finais de Major.

Além disso, a participação do meteorologista Johnny Frost, também é digna de nota, já que  continua a tradição de sempre envolver o personagem quando nos casos de escândalo sexual.

Kev, o responsável por fazer os retratos-falados da delegacia, também nos presenteou com cenas divertidíssimas, ao ficar encantado pela nova personalidade de Liv – chegando a perguntar se ela tinha namorado.

Em suma, o episódio consegue resgatar tudo aquilo que mais gostamos na série. Um caso bizarro e interessante, uma nova personalidade divertidíssima, Liv sendo a protagonista da série, subtramas que não são arrastadas e, é claro, desenvolvimento no romance entre Liv e Major – que aparentemente esqueceu a zumbi-suicida.

Infelizmente, as fotos do próximo episódio parecem indicar que Major realmente perdeu suas memórias mesmo.

SOBRE Bruno Chang